0

Estimulando a fala do seu filho

Os primeiros anos da vida de uma criança são fundamentais para o desenvolvimento da fala, da linguagem e de tantas outras habilidades cognitivas.
Por essa razão, existem ações para estimular essa faculdade, que é a base da comunicação e da expressão humanas.
Um exemplo é a criação de um ambiente doméstico que favoreça e catalise o desenvolvimento da linguagem.
Você verá que, por meio de jogos, simples interações e uma presença efetiva em experiências diárias, podemos ajudar os pequenos a adquirir uma linguagem rica e natural. Confira algumas práticas simples para estimular a fala das crianças!

Comece utilizando sinais

Inaugurar a criança em sua jornada de falante começa não pelas palavras, mas pelos sinais.
No seu percurso de desenvolvimento, a criança recapitula todas as etapas pelas quais a humanidade passou antes de adquirir o pensamento contínuo e, logo, o sistema ordenado de signos que viabiliza nossa existência comum — a linguagem.
Se nos lembrarmos que o homem pré-histórico se valia dos gestos e dos grunhidos para reagir e interagir, a criança pode seguir uma trajetória semelhante.
Depois do choro, os primeiros sinais (não desacompanhados de sons) emitidos durante a infância são aqueles que comunicam necessidades — como água, sono e comida — ou emoções e interações básicas — como olátchau, dor, contrariedade.
Usando uma linguagem de sinais para indicar suas próprias necessidades, você pode mais facilmente ensinar à criança, sem que seja necessário conceituar, que se apoiar sobre uma forma de comunicação é o que torna o meio capaz de decodificar o que ela precisa, deseja e sente.
Para cada sinal, certifique-se de conectá-lo à palavra correspondente. Ao gesticular oi e tchau, repita essas palavras pausadamente toda vez que fizer os sinais.
Use essa linguagem de forma consistente e certifique-se de que as outras pessoas do convívio da criança façam o mesmo.
Uma vez compreendida a premissa, pouco importa se a criança imitará seus sinais tais e quais, pois logo ela criará sua própria versão deles. Faça disso uma brincadeira e retribua, com as respostas relativas à demanda.
Por exemplo, se a criança sinalizou sede, aqueles que estão ao seu redor no exato momento podem pegar um copo d’água e enfatizar a sensação de saciedade, por gestos, assim como por sons.

Converse

Conversar constantemente com a criança é uma das formas mais fáceis de incentivá-la a falar. Ela aprenderá as primeiras palavras com você e com as pessoas mais próximas.
Por isso, é importante que você fale constantemente com a criança desde quando ela ainda é bebê, em um tom de voz afetuoso e até com um registro musical.
Não é sequer preciso esperar que ela tenha nascido para isso: converse com o bebê quando ainda estiver na barriga. Os efeitos são surpreendentes!
Da mesma forma, seu lar é a primeira ocasião de exposição da criança à linguagem e à língua materna. Falar com as pessoas no seu ambiente doméstico, observando o teor dos assuntos, é muito estimulante para a criança.
Ela espelhará também as emoções comunicadas pelas palavras, como o entusiasmo e a alegria.
Se estiver cozinhando perto da criança, por exemplo, uma sugestão interessante é falar em voz alta o nome dos ingredientes que está utilizando e narrar as ações executadas.
A criança associará as palavras a um contexto, o que também ajudará na sua fixação.

Pronuncie as palavras com sabor

Enquanto estão conduzindo uma criança no sentido de adquirir a linguagem, a preocupação dos familiares frequentemente é com a correção das palavras.
Mas escandir bem as sílabas (dar destaque ao pronunciá-las), usar um tom claro e pronunciar corretamente cada nova palavra é tão importante quanto torná-las o mais expressivas possível. Fale um pouco mais devagar, saboreie as palavras, e a criança também assimilará esse gosto.
Cada vez que falar com ela, busque ficar no nível dos olhos. Isso vai ajudá-la a ver seus lábios em movimento e compreender melhor as palavras e a entonação.
Toda vez que introduzir uma nova palavra, use-a de algumas formas diferentes ao longo do dia e coloque uma ênfase particular nela, para que possa ser reconhecida.
Quanto mais a criança ouvir a mesma palavra ou frase, maiores as chances de se lembrar dela.

Leia em voz alta

Ler para a criança é uma forma de melhorar seu vocabulário e aumentar seu interesse em falar.
Comece adquirindo livros voltados para a idade dela e que possam despertar sua atenção, por meio de histórias engajantes, com estrutura circular e que despertem o desejo de reproduzi-las.
Crie o ritual de ler para ela todos os dias, aponte as ilustrações na página sempre que possível. Isso ajudará a familiarizá-la também com as figuras que se associam às palavras.
Além disso, os primeiros livros podem abusar das cores primárias e promover outras experiências sensoriais, como tato e som, para reter ao máximo o foco da criança e vincular os sentidos.

Necessidade

Por fim, a comunicação é uma necessidade humana e a criança se esforçará mais para desenvolver a linguagem à medida que sente a necessidade de ser compreendida.
Portanto, conforme a criança já conseguir pronunciar algumas palavras, evite tentar adivinhar prontamente o que a criança quer dizer ou completar suas palavras e frases antes da hora.


Se você não entender, pergunte e a ajude a se expressar melhor ao invés de subentender o que ela precisa.

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”