0

Causas e Tratamento das Desordens do Processamento Auditivo

Processamento Auditivo (PA) é, por definição, o processamento perceptual da informação auditiva no Sistema Nervoso Central (SNC) e atividade neurobiológica responsável pelos potenciais auditivos eletrofisiológicos. Isto inclui os mecanismos neurais necessários para uma variedade de comportamentos auditivos como: localização sonora, inteligibilidade de sinais degradados ou com ruído competitivo, discriminação e reconhecimentos de padrões e percepção dos aspectos temporais acústicos.
Algumas pessoas podem apresentar dificuldades para localizar de onde vem os sons, não conseguem entender conversas em lugares ruidosos e custam a memorizar sequências de sons. Para outras, a dificuldade pode ser com o ritmo ou discriminação de melodias. Além disso, podem ter dificuldades de leitura e escritatrocar letras quando falam ou escrevem ou não conseguir aprender um segundo idioma. Todos esses casos podem ter uma causa comum:  o distúrbio do processamento auditivo central (DPAC) – transtorno que acomete pessoas de diversas faixas etárias, embora seja mais evidente durante a fase escolar, quando a demanda linguística aumenta muito e o ambiente de aprendizado passa a ser menos controlado e com estímulos mais competitivos.
Para esclarecer melhor as causas e sintomas do DPAC, o portal Deficiência Auditiva conversou com a fonoaudióloga Mariana Cardoso Guedes. Mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP e com especialização em Audiologia pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ela é coordenadora do curso de especialização em Processamento Auditivo do Centro de Pós-Graduação da Escola Superior da Amazônia (CPOS/ESAMAZ), professora convidada de diversos cursos de pós graduação e extensão no Brasil, e diretora clínica do Centro de Estudo e Reabilitação em Fonoaudiologia (CER) em São Paulo. Nesta entrevista, a especialista explica como a DPAC pode impactar negativamente a qualidade de vida do paciente e de que maneira é possível prevenir esse tipo de problema em adultos e crianças. Leia, a seguir:
O que é o processamento auditivo (PA) e como ele funciona?
Basicamente, PA é o conjunto de habilidades e tarefas necessárias para que o indivíduo possa entender e compreender o que ouviu. São operações realizadas pelo sistema nervoso central – desde o tronco encefálico até o córtex cerebral – responsáveis por analisar, discriminar e decodificar o som captado pelas nossas orelhas e, dessa forma, transformar a energia acústica em algo com significado. Pensando assim, as orelhas captam o som, ouvem. O PA realiza a escuta, que faz com que o indivíduo discrimine e decodifique a informação captada.
Quais sinais e sintomas de desordem do processamento auditivo?
Os mais comuns são: (1) dificuldade para localizar a fonte sonora, saber de onde vem os sons e a que distância estão; (2) dificuldade para entender a fala em lugares ruidosos, com reverberação, eco ou muitas pessoas falando ao mesmo tempo; (3) entender errado, trocar palavras/frases ouvidas por outras parecidas; (4) dificuldade para memorizar sequências de sons, falta de ritmo ou dificuldade para acompanhar uma fala em maior velocidade ou entender quem fala muito rápido. Podem estar presentes também as dificuldades de leitura e escrita, trocas de letras na fala ou na escrita e dificuldade para aprender uma segunda língua ou música.
Quais possíveis causas para essa desordem?
Qualquer alteração neurológica que afete regiões do cérebro ou do sistema nervoso central responsáveis pela discriminação e processamento auditivo pode levar ao distúrbio. Isto incluí tumores, AVCs e doenças desmielinizantes como a esclerose múltipla. Perdas auditivas não tratadas ou aquelas em que o indivíduo demora para reabilitar (por exemplo, demorou para começar a usar um aparelho auditivo) podem levar à disfunção do PA como uma sequela da privação sensorial. O envelhecimento também afeta o PA. Contudo, o mais comum, principalmente em crianças, são alterações funcionais – sem lesão específica ou diagnosticada – ou atraso de maturação das vias auditivas centrais. Estas disfunções ou atrasos de maturação têm como fatores de risco a prematuridade, intercorrências na gestação ou no parto, anóxia ou cianose, abuso de drogas e álcool, histórico familiar e também as famosas otites na infância.
As pessoas demoram para perceber que existe uma desordem neste processamento? Por quê?
Às vezes, sim. Os sintomas são mais evidentes na idade escolar, durante e após a alfabetização. É nesta fase que a criança recebe um aumento da demanda linguística e o ambiente de aprendizado passa a ser menos controlado, tem mais competição. Por isso, a maior parte das crianças faz o diagnóstico correto após os 7 ou 8 anos. Alguns casos vêm para a avaliação com 12,13 ou até 15 anos e com queixas de dificuldades escolares há anos. Como os sintomas são parecidos, o quadro pode se confundir ou estar presente concomitantemente com atrasos de linguagem, dislexia e déficit de atenção. Em adultos e idosos, em geral, o diagnóstico é feito após uma adaptação de prótese mal sucedida ou com baixo rendimento, nos casos em que mesmo com o uso do melhor aparelho possível, o indivíduo ainda se queixa de dificuldade de escuta.
Em que momento a pessoa deve recorrer a um especialista?
Sempre que houver qualquer queixa relacionada à audição, linguagem ou dificuldades de aprendizagem. No primeiro momento, é realizada a audiometria tonal e imitanciometria a fim de verificar se há algum grau de perda auditiva. Caso a audição seja normal ou a queixa seja incompatível com o grau de surdez apresentado, podemos investigar o processamento auditivo com uma bateria específica de testes. É importante ressaltar que o exame de audição – a audiometria – é básico e obrigatório em qualquer pessoa com queixas relacionadas à linguagem, fala ou aprendizagem, e pode ser realizado em qualquer idade. Saber como o indivíduo escuta faz parte do diagnóstico diferencial e não devemos fechar diagnóstico de TDA (Transtorno de Déficit de Atenção), DEL (Distúrbio Específico de Linguagem)  sem ter certeza se a pessoa escuta ou não. Digo isso porque já vi casos de crianças com atrasos da fala ou dificuldades escolares que estavam sendo tratadas como portadoras de alterações fonológicas e até tratadas como TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) que mais tarde descobriu-se, pela audiometria, que eram portadoras de perda auditiva de grau leve ou moderado e precisavam usar aparelho auditivo, e não apenas fazer terapia fonoaudiológica, tomar medicamento ou fazer treinamento para o PA. Por isso, a audiometria é sempre pré-requisito e deve ser realizada logo que possível e antes de qualquer diagnóstico ou início de processo terapêutico. Estando a audição normal, precederemos com o diagnóstico diferencial que contempla a bateria específica de testes de PA, avaliação fonoaudiológica para verificação da linguagem e, em alguns casos, avaliação neuropsicológica. Com os exames completos, o risco de erro de diagnóstico é mínimo.
De que maneira a desordem do processamento auditivo pode impactar, por exemplo, no desempenho escolar de crianças?
Uma criança que escuta mal, que se confunde ou que não consegue prestar atenção no que o professor fala apresenta um grande risco de aprender errado, ou pior, não aprender. O processo de alfabetização é totalmente dependente de uma boa escuta, afinal a escrita nada mais é do que a representação gráfica dos sons da fala e, para que este processo ocorra da melhor forma possível, é preciso boa consciência fonológica, memória auditiva e discriminação acústica destes sons. Outra questão fundamental aqui é: as pesquisas mostram que o fator que mais interfere e prejudica o aprendizado em sala de aula é o nível de ruído competitivo. E as pessoas, e principalmente as escolas, não se dão conta disso. O tratamento acústico de salas de aula é quase inexistente e isso já faz com que qualquer aluno demande mais força e atenção para se manter concentrado. Uma criança com alteração do PA fica extremamente vulnerável e em desvantagem nesta situação e, quanto pior for a acústica da sala e maior o nível de ruído ou distorção sonora no ambiente, mais difícil será seu aprendizado, mais esforço será necessário. Ela cansará mais rápido e poderá cometer mais erros.
Em adultos, que tipo de perda da qualidade de vida esse tipo de desordem pode oferecer?
As mesmas dificuldades da criança, porém não na situação de sala de aula, mas, sim, no trabalho. Imagine o adulto em um escritório barulhento, muitas vezes tendo de falar ao telefone em outra língua ou lidar com mais de um falante ao mesmo tempo. Ou até nas atividades de lazer, festas, bares, ruas e parques. Sempre que o ambiente acústico não for favorável, será necessário maior esforço para a escuta, o que gera desgaste, cansaço e pode culminar com erros na percepção da fala ou dificuldade de memorizar o que foi dito.
Há alguma relação do processamento auditivo com a perda da memória ou falta de atenção? Por quê isso acontece? 
Em jovens não há evidência consistente de uma relação tão direta. O que pode acontecer é que, pelo esforço necessário para escutar, o indivíduo acaba “gastando” toda a energia no processamento da informação e na tarefa de discriminação auditiva que acaba não sobrando reserva cognitiva para os processos de memorização ou manutenção da atenção sustentada. Isto é bastante comum também em pessoas com perda de audição e que precisam o tempo todo fazer “força” para escutar. Novamente, quanto mais desfavorável for o ambiente, maior o risco de que isso aconteça. Muitas vezes o indivíduo “se desliga”, perde pedaços ou trechos da informação ou não lembra o que acabou de ouvir.
Por outro lado, em indivíduos idosos, a literatura aponta, sim, para uma relação importante entre as dificuldades de PA, memória e atenção. Alguns autores acreditam que tudo faz parte de um grande processo de envelhecimento global e que culmina com a piora das funções auditivas e cognitivas. Há outros autores que acreditam que a dificuldade de PA no idoso precede uma dificuldade cognitiva ou até mesmo pode ser, dependendo do grau e das características do exame, um indicativo de possível quadro demencial.
É possível prevenir esse tipo de problema?
Na criança temos, sim, alguma formas de estimulação auditiva e que podem ser realizadas desde a primeira infância, na fase pré-escolar. Não podemos garantir que nada dará errado, mas sabemos, por exemplo, que ensino de música e treino musical é um fator excelente. Usar uma linguagem clara, rica em vocabulário e correta na forma de apresentação gramatical e fonológica também é importante desde sempre. Evitar ruído em excesso, lugares muito barulhentos e ficar atento a qualquer sinal de otite ou alteração da audição. A presença constante e crônica de catarro ou secreção no ouvido na fase de aquisição da língua é bastante prejudicial e pode interferir na maturidade do PA. Por isso, os pais devem ficar atentos e realizar acompanhamento com médico otorrinolaringologista. Com relação às escolas, devemos ficar atentos não só à proposta pedagógica e à estrutura física. É importante verificar como é a acústica da sala de aula do seu filho. E o ruído no refeitório? Pais e corpo docente precisam começar a prestar atenção nessas questões. Não adianta apenas sentar na primeira fileira se o ruído do pátio ou do corredor é forte, ou se há reverberação, eco ou até mesmo barulho forte de ventilador/ar condicionado. Há importantes evidências científicas de que o tratamento acústico no ambiente de ensino-aprendizado é um dos fatores de maior impacto na reabilitação. No caso dos adultos, sugere-se evitar exposição aos fatores de risco para alterações auditivas no geral e, mais do que tudo, realizar diagnóstico e intervenção precoce. Ou seja, procurar o médico e realizar os exames de audição a qualquer sinal de dificuldade para ouvir. E mais importante ainda, se a perda auditiva for confirmada, procurar reabilitação imediata, usar os aparelhos sempre que forem indicados. Esperar a perda “piorar” para colocar a prótese pode levar ao distúrbio de PA – e isso o aparelho não resolve sozinho. Nos casos em que já se foi constato o DPAC  (Distúrbio do Processamento Auditivo Central), o tratamento-padrão recomendado consiste em exercícios específicos para as habilidades auditivas alteradas, tarefas de escuta direcionada e sensibilizada e treinamento com fones de ouvido, que pode ser realizado com computador e nas cabinas acústicas com equipamentos de áudio do fonoaudiólogo para um adequado controle dos estímulos e das respostas. Muitas vezes, em crianças, este treinamento específico é realizado como um complemento da terapia fonoaudiológica convencional, que trata dos aspectos ligados à fala, linguagem oral e/ou escrita.
http://deficienciaauditiva.com.br/causas-e-tratamentos-da-desordem-de-processamento-auditivo/

0 comentários:

Postar um comentário

Vem comigo!

A Divulgação da Fonoaudiologia!

AVISO

Este Blog é uma central de compartilhamento de informações, notícias, trabalhos científicos e arquivos. Sendo seu objetivo principal a interação entre fonoaudiólogos ou estudantes de fonoaudiologia e áreas correlacionadas, sendo assim sua participação é sempre de extrema importância. Além das informações e orientações sobre Fonoaudiologia e áreas correlacionadas, estarão disponíveis materiais terapêuticos, sendo que as autorias sempre serão respeitadas. O fornecimento dos Download visa suprir a dificuldade de acesso e aquisição de materiais em nossas áreas de atuação, porem jamais fazendo apologia a pirataria. Assim deixo um pedido: Caso possam adquirir as obras nas livrarias, compre-as, contribuindo assim com os autores e com o movimento da máquina científica. As publicações de minha autoria que estão sendo disponibilizadas podem ser utilizadas de forma livre pelos visitantes, peço apenas que divulguem a fonte e autoria do material.
“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento ao Odontopediatra, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia,Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”